ADA – San Diego 2017: destaques do segundo dia

Por Dr. Luciano Albuquerque

Hoje queremos destacar, na cobertura do 77º Congresso Americano de Diabetes, da ADA, em San Diego (EUA), um pequeno estudo que associou liraglutida em pacientes com DM tipo 1 em tratamento prévio com bomba de insulina. Participaram 40 pacientes com HbA1c > 7,5%, divididos randomicamente em dois grupos, um com placebo e outro com liraglutida até a dose de 1,8mg ao dia. Os resultados foram promissores, demonstrando redução de 0,8% na HbA1c e maior período de glicemia dentro das metas por monitorização contínua (CGM).

Além do controle glicêmico o grupo que usou liraglutida alcançou uma perda de peso de 5,8kg em comparação com o grupo placebo, após 6 meses de tratamento. Nenhum paciente descontinuou o uso da medicação por eventos adversos, porém 2 pacientes reduziram a dose de 1,8 para 1,2mg ao dia por náusea.

Com a crescente incidência de sobrepeso e obesidade entre os pacientes diabéticos tipo 1 (60% destes segundo levantamento recente), o presente estudo vem demonstrar segurança na associação da liraglutida neste grupo onde o tratamento era tradicionalmente limitado a insulinoterapia.

Outro destaque do dia foi a apresentação de resultados de sub análises (pos hoc) do estudo LEADER. Durante o estudo 267 pacientes apresentaram hipoglicemia severa com menor frequência naqueles em uso de liraglutida (lira n=114, placebo n=153; RR 0,69; 95% CI: 0,51-0,93). Estes pacientes risco aumentado de 2 a 16 vezes para evento cardiovascular e morte em até 60 dias após a hipoglicemia, independentemente do grupo.

Tais achados reforçam a necessidade de maior empenho em manter o controle glicêmico, evitando eventos de hipoglicemia.

Deixe um comentário