TIREOIDE

A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia – PE vem realizando diversas campanhas educativas junto à população, com o intuito de prevenir doenças, como o Diabetes e a Obesidade, e também informar sobre outras, como as patologias da Tireoide. Fazendo parte de um plano de ações múltiplas, a SBEM – PE iniciará em breve um programa de detecção de doenças da Tiróide, onde os seus médicos irão levar informações acerca do auto-exame da glândula e dos sintomas que podem ser decorrentes do mal funcionamento da Tireoide.

A glândula tiróide situa-se no pescoço logo abaixo de uma cartilagem popularmente conhecida como Pomo de Adão. As dimensões são relativamente pequenas (pesa em torno de 20 gramas), sendo responsável por fabricar substâncias que regulam várias reações do nosso organismo. Se compararmos o “motor do carro” ao corpo humano, essas substâncias (hormônios da tireoide) funcionariam como o “acelerador”, pois quando produzidas em excesso tudo no nosso corpo fica mais rápido: o coração dispara (palpitações), o intestino solta (diarréia), o indivíduo se agita (nervosismo), dorme pouco (insônia), sente mais calor que os outros, o cabelo cresce e cai mais rápido e as unhas enfraquecem. Estes são alguns sintomas do hipertiroidismo. Do contrário, no hipotiroidismo, aquelas substâncias não são produzidas na quantidade necessária e o “motor” não acelera, então as reações do organismo ficam mais lentas: o coração bate mais devagar, o intestino prende (constipação), a menstruação torna-se irregular e a mulher deixa de ovular. Ocorre diminuição da memória e um cansaço excessivo, dores musculares e articulares (artralgias), sonolência, ganho de peso e aumento do colesterol e triglicerídeos no sangue.

As doenças que podem acometer a Tiróide são bastante variadas e vão desde o simples aumento do tamanho, chamado bócio difuso, onde a causa pode ser apenas a carência de Iodo, até as inflamações agudas, subagudas e crônicas da glândula. Este crescimento da tireoide também acontece na forma de nódulos, bócio nodular, podendo ser estes benignos ou malignos.

Nos Estados Unidos estima-se que 13 milhões de pessoas, de todas as idades, tenham problemas relacionados à Tireoide e metade deste total ainda permanece sem diagnóstico. No Brasil, o dados do Ministério da Saúde revelam uma situação não muito diferente.

Baseada no fato que o diagnóstico precoce das doenças, de modo geral, melhora os resultados do tratamento, a SBEM – PE toma a iniciativa de ir junto à população e também a outros órgãos promotores de saúde para pesquisar e educar os indivíduos sobre as doenças da Tireoide.

Os nódulos tiroidianos são patologias que acomentem em torno de 5% da população adulta, é mais freqüente em mulheres do que homens, e podem corresponder na sua grande maioria a doenças inflamatória. A preocupação com nódulos tiroidianos reside no fato de que 5% dos nódulos são câncer, embora saibamos que 95% dos casos não câncer de tiróide. Portanto tornar-se fundamental a detecção precoce de nódulos tiroidianos que pode ser observado e detectado inicialmente pelo auto-exame como segue-se abaixo:

PROCEDIMENTO PARA O AUTO-EXAME
Material necessário:
1 Copo com água
1 Espelho com cabo

Procedimento:
Segure o espelho e procure no seu pescoço a região logo abaixo do Pomo de Adão ( também chamado gogó). Sua Tireoide está localizada aí.
Estenda a cabeça para trás para que esta região fique mais exposta. Focalize-a bem pelo espelho. Beba um gole de água e engula. Com o ato de engolir, a tireoide sobe e desce. Observe se há alguma protusão ou nódulos na sua tiróide. Atenção: Não confunda a Tiróide com o Pomo de Adão. Repita este teste várias vezes até ter certeza. Ao notar protusões ou nódulos: Procure um Endocrinologista.

Deixe um comentário