Dietas milagrosas?

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 1,5 bilhão de adultos estão acima do peso no mundo. No Brasil, a quantidade a incidência chega a quase 49%. O tratamento para esta doença crônica nem sempre é fácil, e são vários os mitos que surgem sobre medicamentos eficazes para a obesidade.

Diariamente surgem remédios e receitas “milagrosas” na mídia, mas segundo o endocrinologista José Luciano Albuquerque, os suplementos alimentares vendidos em farmácias como Ácido Linoleico Conjugado e as populares receitas com chá-verde, óleo de coco e fibras não possuem comprovação de que são eficazes para a redução de peso.

“É importante ter cuidado com o consumo desses suplementos, porque alguns podem provocar o efeito inverso. O óleo de coco, por exemplo, é uma gordura vegetal saturada. As pessoas consomem o produto para a absorção intestinal mais rápida, mas ele não tem resultado comprovado na redução do peso. Além disso, as receitas caseiras recomendam a ingestão de três colheres de sopa por dia de um elemento que é altamente calórico. Para se ter uma ideia, uma colher de sopa do óleo tem mais de 100 Kcal”, alerta José Luciano Albuquerque.

De acordo com ele, os únicos medicamentos indicados e aprovados no Brasil são os princípios ativos sibutramina e orlistat. O médico reforça que o melhor tratamento para a obesidade é mesmo a prática de atividades físicas, associada à mudança no estilo de vida e terapia farmacológica.